Carmélia esteve aqui em casa

setembro 9, 2015

carméliaEssa senhora veio me visitar, tarde dessas, depois de nosso encontro casual naquela livraria perto da Igreja Santa Rita. E já gosto dela com o fervor das melhores amigas da infância: Carmélia M. de Souza.

Herdeira da fossa de Maysa, a quem nunca perdoou por tê-la roubado um namorado, um tal de Zé Costa. Desculpe se pareço indiscreta, é que é fácil falar da vida íntima de Carmélia, ela mesma se encarregava disso, suas crônicas em primeiríssima pessoa só guardam em segredo um certo Dindi, sobre o qual há muitas conjecturas, pode ser um amigo, um amor, ou vários deles. O certo é que é uma das marcas de Carmélia essa exposição volátil de seu interior, como uma garrafa de vinho a colorir o ar com seu aroma, ou como um mar de ressaca se revirando e trazendo a tona seu humor visceral.

O que posso falar, e nessa afirmação meramente pessoal não cabe juízo de valor, é que Carmélia, Marzia Figueira e Nara Leão e a citada Maysa me fazem ter mais orgulho de ser capixaba do que o Rei Roberto Carlos, ou nosso potencial de logística. Sim, eu gosto de ser conhecida como capixaba. Escritora capixaba não sei bem, não me arvoro a tanto, porém se acham que sou, podem me colocar na estante dos capixabas, porque gosto desse exotismo de ser de um lugar que não é Rio ou São Paulo, e gosto de ser territorializada, de me sentir pertencer, de usufruir de nacionalidade, terra, espaço, tempo e endereço. Eu que já mudei de casa, em determinada fase da vida, duas ou três vezes ao ano, sonho com cartas que me encontrem.

Volto: li Vento Sul, coletânea de crônicas de Carmélia publicada em 2002 numa iniciativa que, pelo que entendi, partiu do Núcleo de Ciências Humanas e Naturais da UFES. O Certo é que descobri um ângulo da Ilha que parece mais comigo do que o presente. Fácil entender, segundo a orelha de Francisco Aurélio Ribeiro, Carmélia era a personificação da década de 60, da contracultura, e eu sou mesmo datada, mas no passado. E Carmélia era afeto, era esperança e tantas palavras que eu, vejam só, achei que tinha redescoberto. Ela já as repetia e inseria na vida há cerca de quarenta anos atrás.

Foi com a felicidade que se tem na seção achados e perdidos, quando encontramos algo que é nosso, ou quando conhecemos alguém de quem muito se ouve bem falar, mas com quem ainda não havíamos esbarrado, que conheci Carmélia. É dela a deliciosa “Teoria Geral da Fossa”. É dela a louvação ao vento sul, fenômeno tão nosso quanto saber fazer moqueca, falar com naturalidade a palavra “gastura” e respirar minério. É dela um “lirismo distraído e distante” que me comoveu. E não poderia deixar de citar que é dela a expressão “esta ilha é uma delícia”, mas a entonação é de puro sarcasmo, importante frisar.

Carmélia, dizem, era a cronista preferida dos capixabas, e era fácil saber onde essa escritora buscava inspiração, nas ruas, com o povo, segundo ela mesma nos deixa antever em seus escritos. Mas não podemos esquecer o uísque, o conhaque e depois, a pinga. E as voltas de lancha à luz do luar e o filé do Britz. Assim como a crítica mordaz a TFC, ou melhor: Tradicional Família Capixaba. E a desenvoltura de Carmélia em meio a amigos de todas as classes sociais, como escreve Reinaldo Santos Neves, em texto ao final do livro: “Carmélia era amiga da mulher do magnata e do pescador fodido que afogava as mágoas na pinga”. E agora Carmélia, quer queira, quer não_ é minha amiga também. E na posição em que ela se encontra, na minha cabeceira, não pode colocar as famosas plaquinhas que volta e meia adornavam sua mesa no restaurante Mar e Terra com os dizeres: “afaste-se, hoje estamos insuportáveis”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: