Da série Poesia sem tratamento: feita no ato.

vou ficando transparente
sumo como limo
suco feito nuvem
plúmbea quanto chuva

vou esquecendo de mim
em gentes que nunca nem vi
em lugares que não pousei

antes doida que chata
antes desordem que calendário
antes mãe que medo

antes eu que você

antes que seja tarde e
viro adélia, adilia e homilia de missa parda

viro quente, penugem e leite
viro eternidade
e fico moça de novo no beijo do instante

antes que seja quieto
pra sempre

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s