Resquícios, pruridos, lembranças e outros nomes para saudades.

Ele a esperava dormir, noite após noite. E quando ela era pedra, ele aspirava o odor do hálito dela, de sono e distância. E recolhia um longo fio de cabelo, sempre restava um, ao final da cabeleira entrelaçada nos sonhos irriquietos da mulher. Ao final de vinte anos, ele havia recolhido um edredom de fios. Então ele se cobriu da coleção de cabelos entrelaçados, manta marrom ocre dedilhado de prata, numa seda tecida com o mais macio dos interstícios. E enfim conseguiu dormir.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s