A vida circular tenta dobrar a esquina e sumir

Matarte-ei.

Com estilingue no áspero da lingua.

Com mero descaso de mim.

Esperei. A construção de margaridas. De hortências.

Parei desembocada em seu nada.

E em sua covardia.

Não seria o primeiro nem o único que perdi para o metal que assombra e faz girar a roda putaria das vidas e dos bancos e encher as lojas de bugigangas.

Isso serve de consolo e de conforto. De arreio e de voo.

A espera traduzida na mais bela das faltas de expectativas.

Pôr do sol dentro de mim.

Noite em claro em cigarros de menta sem cervejas e sem alentos.

Minha saúde transbordando à volta de um que nunca vi.

A incredulidade de que esquecerei.

A vida circular também desiste de ser circular e de ser vista.

Irrompe desastrosamente na reta e ouve assustada o barulho do caminhão do lixo.

E pernoitamos na falta de tempo que refaz as imaginações, mais assombrosas ainda, se pensarmos como Lacan e adivinharmos que o real configura-se e insere-se no imaginário e, pior, vice e versa.

Escrevo poemas como quem gorjeia.

Como quem mareia.

A paixão é um cão que não dorme vigiando os portões de ferro da casa da infância.

Vigiando os presentes da árvore de natal.

Esperando o próximo.

O outro.

O grito louco do doido de rua que me passou em frente e desejou casamento.

Os amigos todos são contra.

Os comentários se fazem ouvir.

Não adianta estancar um rio, amigo Daniel.

Nem a ilusão é cabível nas telas de cinema. Ela sai de lá percorre e atravessa a vida das pessoas em falta delas mesmas.

Sobrou essa morbidez dos braços que não prescrustam nada além de um possível olhar a esmo.

Sobrou este gosto na boca inteira inútil.

As pernas doidas traçam caminhadas num sol que me queima por fora, tentando alcançar o cimo e o dentro de mim.

Sobrou a palavra não dita.

Restou o jogo de palavras envoltas em músicas de caixinhas de bailarinas bêbadas e de batons vermelhos.

Tudo por vir.

Tudo já ido?

Se eu ao menos soubesse, divinatória de suas cartas escritas com tintas invisíveis. De seus poréns e de seu mau humor matinal,

próximo de meu bom humor café.

Exploramos as vísceras e delas tiramos os suspiros.

Contrafeitos aprendemos que nunca seremos.

Aprendemos?

Apenas diga a ele que menti que não queria.

Que exagerei quando sim.

Que chorei nas areias da praia da minha juventude, vendo a fábrica laranja insinuar seu ventre de minério e de infertilidade.

É longo o poema da ausência.

É tanto preenchimento para os buracos que as palavras não ditas permeiam.

Merece um porre a mais.

Merecemos mais, mesmo, outra coisa que pode ser tomada:

quente:

coragem.

Cor.

Anúncios

5 comentários em “A vida circular tenta dobrar a esquina e sumir

  1. Coragem , coração que age.
    De cor , pas décor.

    Exploramos as visceras e dela tiramos os suspiros

    A paixão é um cão que não dorme vigiando os portões de ferro da casa da infância

    Mara , isso aih eh mais que literatura.

    Você assistiu Eu, você e todos nós da Miranda July ? tem uma cena dela andando lado a lado com sapatero que me parece a vida circular tentado dobrar a esquina e sumir.

    Bjs
    Duda

  2. Muito bom!
    Mas não exatamente por causa desse texto; lembro de um outro texto seu chamado “frágil”, publicado faz tempo no Caderno Branco ou no Paralelos, que eu acompanhava com relativa freqüência. Gostei muito, e fiquei bastante impressionado com a reação das pessoas nos comentários – desde os mais rasgados elogios até a mais absoluta repulsa, alguns bem agressivos até…
    Frágil ainda está online em algum lugar?
    Peço desculpas de antemão por já chegar pedindo!
    Valeu!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s