A vida circular de volta

Os círculos sempre voltam. Eles são o princípio, o fim e o meio. São o óvulo e a Terra. São as redondilhas das pontas dos dedos. São a intensa solidão de encontrar a si mesmo. São os ovos, os nódulos circulares das suas mãos em minhas coxas. São as pontas de seus olhares, redondos e gulosos.

A vida circular quer muito arrumar as malas e partir. Para algum lugar onde a vida seja menos circular. A vida circular esquece de amores, e o próprio coração tem batidas regulares que fazem circular o sangue.

E o sangue se perde inútil, porque há de ser morno e calado.

Os dedos não podem telefonar. As mensagens não devem ser escritas. O sangue estanque e eu exangue.

A vida circular precisa de motivos para existir. Como todos os seres e até os objetos inventados. Escovas de dentes, caixas de fósforos, quadros na parede, bailarinas de caixinhas de música, átomos, maços de cigarro, pílulas de dormir.

Talvez somente a fé, a arte e a literatura prescindam de razões para existir. A vida circular não é tão forte assim. Olhem. Ela pede atenção.

Ela pede telefonemas e reza esperando. E esperar torna tudo ferruginoso. Torna engrenagens pardacentas. Do lado de dentro a espera é adoçada e comprimida com ansiolíticos. Clonazepam.

A crueldade pode se travestir em conselhos e em doçuras.

Mas enlouqueço com delicadezas, mesmo que sejam gritadas.

E eu que deveria chorar pela Faixa de Gaza. Choro por mim.

Tão egoísta e pequena que me assusto.

O que é incrível, porque um sintoma inédito nesta vida circular é o susto.

Anúncios

5 comentários em “A vida circular de volta

  1. Querida Mara,
    Conselhos e doçuras jamais se transformam em crueldade. Parece que sua autopiedade, ou orgulho, ou necessidade de parecer forte a impedem de aceitar as ajudas que são colocadas em seu caminho.
    Não a conheço, mas seu texto me faz sentir uma vontade enorme de pegá-la no colo, como uma mãe faria, e dizer que nenhuma dor é tão grande assim.
    Se precisa ir, levante e vá. Se deseja cortar o círculo, o faça e inicie outro, mesmo que desenhado numa folha de papel.
    A humanidade inteira morre das mesmas coisas: autopiedade, orgulho e uma necessidade imensa de carinho e atenção.
    O susto é sua porta de saída. Escolha entre o líquido vermelho e o azul e entre nela.

    Com carinho,
    Homoludens

  2. Acho que Homoludens entendeu tudo errado.
    Mas todos têm direito a entender o que quiserem de qualquer texto.
    Só que eu pretendo fazer literatura, e não falo de mim confessionalmente aqui, acho que essa é a base da confusão dele. Acha que eu reclamo da minha vida ou coisa assim…Enquanto eu crio personagens e falo sobre a cidade.

    Mesmo assim, obrigada pelo comentário.

    1. Mara Coradello,

      Excesso de elegância e polidez é ingenuidade, ou pior, defeito!

      Assim, confesso-me profundamente decepcionado, enciumado até, ao ver que Homoludens, este forte candidato a nome fantasia de barbitúrico, mereceu de você uma resposta ao comentário CORSÁRIO que fez, e não a deleção sumária. Do que me vejo constrangido a registrar aqui também o meu, exigindo reciprocidade de tratamento de sua parte, ou ao menos um danoninho.

      Sem sair do tema cromático: seus personagens são coloridos como você, preto-e-branco como você, e portanto são você, ao sabor de suas inúmeras tonalidades íntimas; pois você é o lugar onde o processo literário se deu.

      Daí é óbvio concluir que reduzir o processo a sua essência, que foi o que o(a) cretino(a) fez, é o mesmo que procurar a obra de Shakespeare numa bula de remédio (quem sabe até um barbitúrico: vermelho, azul, ou, no caso de Homoludens, marrom). E também uma calamidade intelectual!

      Nesta toada, não tardará chegaremos ao dia em que qualquer leitor suficientemente analfabeto, ou mal intencionado, alegará ter absorvido uma obra literária a partir dos cacos da alma do escritor que percebeu (ou supõe ter percebido) pelo caminho. Como se o processo literário não caminhasse justamente no sentido oposto.

      Do que eu rogo você prossiga reclamando da vida o quanto quiser, e confessando o que bem entender, pois tudo será devidamente filtrado no ato quase carnal da leitura.

      E, findo o processo, restará a obra.

      Atenciosamente,
      Eduardo Fernandes
      (transeunte, cronista amador, ex-qualquer coisa de uma amiga sua que gostaria de me acertar com um tiro de bazuca)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s